As Tomadas industriais e plugs industriais desempenham papel importante provendo a alimentação de energia para as maquinas e outros equipamentos.

A expressão “tempo é dinheiro” nunca foi tão verdadeira quando aplicada aos processos industriais; pergunte ao Gerente de produção de uma industria qual é o custo de uma maquina parada por uma hora. A manutenção dos cabos elétricos e das tomadas industriais devem ser ágeis e usar sempre produtos de alta qualidade para evitar a interrupção na produção além do tempo estimado.

Tudo começa pela escolha do material elétrico na indústria; as tomadas industriais devem atender a especificações corretas do equipamentos; é impraticável e um risco muito grande o uso de tomadas industriais e plug industriais em equipamentos e maquinas que representaram investimento de milhões de reais para a empresa.

Características das Tomadas Industriais

Na escolha da tomada industrial ou do plug industrial devemos observar algumas características:

  • Construção robusta;
  • Alta resistência ao impacto;
  • Alta resistência ao desgaste;
  • Resistência aos óleos, petróleo, maioria dos ácidos e alcalinos;
  • Temperatura: -30 ºC a 140 ºC;
  • Propriedades Anti-estáticas para evitar faíscas e descargas no operador;
  • Parafusos niquelados imperdíveis e todos acessíveis na mesma posição;
  • Terminal de terra isolado;
  • Passa cabos flexível, firmemente fixo e com os diâmetros dos cabos admissíveis gravados;
  • Terminais claramente marcados;
  • Máximo espaço para ligação dos cabos;
  • Abraçadeira interior móvel para mais fácil ligação e fixação do cabo;
  • Impossibilidade de inversão de polaridade;
  • Corpo irregular com sulcos para melhor aderência ao punho.

 

Tomadas Industriais esquema de montagem de tomada sem parafuso

Esquema de montagem de tomada sem parafuso ABL – Sursum

Relação Custo x Benefício nas tomadas industriais

 

A relação custo-beneficio ou RCB (em inglês, benefit-cost ratio ou BCR) é um indicador que relaciona os benefícios de um projeto ou proposta, expressos em termos monetários, e o seus custos, também expressos em termos monetários. Tanto os benefícios como os custos devem ser expressos em valores presentes.

Este termo foi primeiro usado durante a conferência de V. Moraes, proposto pelo Matemático Banza von Hambburg. Embora seja um conceito utilizado em diversas áreas, foi primeiro proposto para avaliar a viabilidade dos custos dos estabelecimentos comerciais da época, mais precisamente os estabelecimentos alimentícios.

A relação custo benefício muitas vezes é entendida da seguinte forma: “quanto mais barato for as tomadas industriais, menos custo teremos na manutenção dos sistemas elétricos das maquinas”  ledo engano.

Na verdade a relação custo benefício deve ser entendida da seguinte maneira: “quanto mais QUALIDADE tiverem as tomadas industriais, menos custo teremos na manutenção dos sistemas elétricos das maquinas”.

Tomadas industriais de alta qualidade garantem o funcionamento das maquinas por mais tempo, mais segurança para a linha e seus operadores; consequentemente evitando as paradas para manutenção.

Sabemos que este assunto está ligado diretamente a “cultura” da empresa e aos procedimentos que são aplicados na conservação e manutenção de equipamentos industriais.

A cultura está inserida nas pessoas e não nas maquinas, portanto a correta orientação e implementação de processos voltados a qualidade impactam significativamente na sustentabilidade e lucratividade dos processos industriais.

Os fabricantes de maquinas industriais oferecem informações sobre o funcionamento, operação e manutenção do momento da compra até a entrega e instalação das maquinas.

Se a “cultura da empresa” não for seguir as instruções do fabricante e usar tomadas industriais de baixa qualidade e fora do padrão exigido, esta assume um risco de comprometer a produtividade da empresa e consequentemente com o retorno do investimento feito naquele equipamento.